INSS Pagará Danos Morais e Materiais a Aposentado Que Teve Benefício Fraudado

Por sua negligência em checar a autenticidade de assinaturas e documentos, o Instituto Nacional do Seguro Social terá de pagar danos morais e materiais a um aposentado que teve o benefício transferido para outra cidade sem sua autorização.

Decisão da 3ª Turma do TRF da 4ª Região

A determinação é da 3ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, ao confirmar sentença proferida pela 1ª Vara Federal de Maringá (PR). Conforme o parágrafo 6º, do artigo 37, da Constituição, as pessoas jurídicas de direito público e as de direito privado prestadoras de serviços públicos respondem pelos danos morais que seus agentes, nessa qualidade, causam a terceiros. Nos dois graus de jurisdição, ficaram comprovados a fraude nos papéis usados para a troca da agência bancária de recebimento de benefício, os danos ao autor — que ficou cinco meses sem receber — e a relação de causalidade entre o ato ilícito da autarquia e os prejuízos causados ao segurado. Veja Sobre: Plano B Para a Reforma da Previdência ‘‘A conduta da autarquia autorizando a mudança da agência bancária para recebimento dos valores devidos ao autor é causa direta e imediata de prejuízos materiais e morais, que devem ser ressarcidos. Certamente, o serviço público exige de seus agentes a utilização de todos os meios de segurança disponíveis, especialmente no que se refere a operações eletrônicas, para que inconvenientes deste tipo não aconteçam, de forma a se manter intocáveis os direitos dos administrados’’, registrou no acórdão o relator, desembargador Ricardo Teixeira do Valle Pereira. O autor receberá R$ 4 mil a título de danos morais e mais cinco meses de salário-benefício, no valor de R$ 2,4 mil cada um, que deixou de auferir por se encontrarem indisponíveis na sua agência. Tudo corrigido e com juros desde à época dos fatos — março de 2013. O acórdão que referendou a sentença foi lavrado na sessão de 9 de maio.

Transferência Fraudulenta

Aposentado por tempo de contribuição desde 2008, o autor afirmou que foi vítima de um fraudador, que conseguiu transferir o pagamento de seu benefício da agência de Maringá para a de Marília (SP). Em agosto de 2013, ao ter ciência da falta de depósitos em sua conta, registrou a ocorrência na polícia e comunicou o fato ao INSS, que voltou a creditar o benefício na agência de sua cidade. Mesmo assim, ele foi à Justiça pleitear danos materiais e morais, fundamentando seus pedidos na responsabilidade estatal, em função da ação negligente da autarquia.

Justificativa do INSS

Já o INSS sustentou que agiu de acordo com o princípio da legalidade, isentando-se de qualquer responsabilidade. Além disso, alegou, o autor demorou quase cinco meses para reclamar o não recebimento regular do benefício, de modo que sua inércia injustificada não pode motivar a responsabilidade estatal. O juiz federal José Jácomo Gimenez julgou procedente a ação, por entender que ficou caracterizada a responsabilidade objetiva da autarquia, nos termos do parágrafo 6º, do artigo 37, da Constituição. A seu ver, o fato de o autor ter demorado para reclamar não é causa excludente da responsabilidade civil. Na audiência de instrução, ele esclareceu que não utilizava os proventos de aposentadoria todos os meses, deixando-os depositados na poupança, como uma espécie de reserva.
Para o juiz, os documentos apresentados ao INSS para formalizar a transferência diferem dos do segurado. ‘‘Conquanto o INSS, assim como o autor, também tenha sido vítima da fraude, não há como isentá-lo da responsabilidade de indenização dos danos ocasionados ao autor, haja vista a conduta negligente do INSS na transferência do benefício, não tendo o INSS agido com a prudência e cautela que o caso exige’’, escreveu na sentença.
Conforme o juiz, a falha em não confrontar os documentos apresentados pelo fraudador com aqueles constantes no processo administrativo que concedeu o benefício da aposentadoria, por si só, revela omissão e negligência, atraindo o dever de indenizar. ‘‘A situação verificada nos autos é inadmissível em tempos modernos em que se espera o mínimo de prudência de uma Autarquia Federal da magnitude do INSS. A Administração Pública, na qual incluída o INSS, é pautada pelos princípios constitucionais da legalidade, moralidade, impessoalidade, publicidade e eficiência. No caso, sobreleva-se o princípio da eficiência, de modo que cumpre ao INSS aprimorar seus serviços e implementar ações para evitar que situações da espécie se repitam’’, finalizou. Fonte: Conjur 5016010-71.2013.4.04.7003/PR
Tags :
Notícias

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você precisa planejar, revisar ou realizar cálculos periciais para aposentadoria?

Temos uma equipe de especialistas prontos para ajudar você.

Outras Notícias

Disponibilizamos gratuitamente para você as principais notícias sobre Direito Previdenciário. Veja alguns destaques:

×