Empresa Pagará Funcionária Afastada Durante Greve do INSS

A Justiça Trabalhista de Minas Gerais condenou uma empresa a pagar à empregada os salários do período de afastamento médico, uma vez que a reclamante ficou sem fonte de renda por conta da greve da Previdência Social.

Obrigação do Empregador de Pagar os Salários

Segundo a nota do Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região (TRT3), é do empregador a obrigação de pagar os salários do empregado nos primeiros 15 dias de licença por problemas de saúde. A partir daí, caso permaneça sem condições de trabalhar, ele deverá receber, do INSS, o auxílio-doença-previdenciário. Mas, e se, por qualquer motivo, mesmo que incapacitado para voltar ao trabalho por período superior a 15 dias, o empregado deixa de receber o benefício do INSS? Nesse caso, surge um impasse: ele não recebe os salários do empregador, que entende que essa obrigação seria do INSS, e, ao mesmo tempo, não recebe o benefício do órgão previdenciário. A situação, prejudicial ao empregado por deixá-lo sem qualquer fonte de renda, já é conhecida na Justiça do Trabalho e vem sendo chamada pela jurisprudência de "limbo jurídico previdenciário".

Decisão do Juiz

Ao se deparar com um desses casos, o juiz Marco Túlio Machado Santos manifestou-se no sentido de que cabe ao empregador cumprir com as obrigações trabalhistas do período em que o empregado permaneceu no "limbo jurídico", já que é dele os riscos da atividade econômica . Com esse entendimento, ele condenou a empresa a pagar à reclamante os salários, incluindo 13º salário proporcional, relativos ao período seis meses, quando, após se afastar por 15 dias em razão de um aborto espontâneo, a trabalhadora ficou aguardando perícia médica do órgão previdenciário, cujos médicos estavam em greve, permanecendo, nesse tempo, sem receber salários e nem auxílio doença. A empresa alegou que não deveria arcar com os salários - além do 6/12 de 13º salário do ano de 2015 - do período em que a empregada aguardava a perícia, porque, nesse tempo, ela não lhe prestou serviços. Mas o julgador não acolheu os argumentos da empregadora. O juiz ressaltou que o contrato de trabalho continuava em vigor e que a auxiliar de serviços gerais, por quase seis meses, ficou sem qualquer fonte de renda. A empresa apresentou recurso, em trâmite no TRT3, conforme nota divulgada. Da redação. Gostou? Então comente, sua opinião é importante para nós. Veja também: Nossos Serviços TRF3 Determina Divisão Igual da Pensão por Morte Entre Viúva e Ex-mulher Detento Deve Contribuir ao INSS para Contabilizar na Aposentadoria Auxílio-Acidente: Não Pode Ser Contado Como Carência no Benefício
Tags :
Notícias

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Fale com nossa equipe de especialistas

Esclareça todas suas dúvidas relacionadas à aposentadoria com um especialista no WhatsApp.

Categorias

Você precisa planejar, revisar ou realizar cálculos periciais para aposentadoria?

Temos uma equipe de especialistas prontos para ajudar você.

Outras Notícias

Disponibilizamos gratuitamente para você as principais notícias sobre Direito Previdenciário. Veja alguns destaques:

×