Adicional de Insalubridade

A legislação trabalhista brasileira prevê o pagamento de adicional sobre o salário para os casos em que é as atividades laborais expõem os trabalhadores a riscos, como ruído, agentes biológicos, físicos e etc. O período exposto a estas atividades resulta em um adicional de tempo de contribuição, elevando os benefícios previdenciários. As atividades que se enquadram no adicional de insalubridade são definidas Norma Regulamentadora NR-15 e o benefício está previsto na Consolidação das Leis do Trabalho – CLT nos artigos 189 a 197.

Quem tem direito ao adicional de insalubridade

Devem receber adicional de insalubridade aqueles que exercem atividades que envolvem os seguintes riscos:
  • Ruído contínuo e de impacto;
  • Calor e frio;
  • Radiações ionizantes e não ionizantes;
  • Condições hiperbáricas;
  • Vibrações;
  • Umidade;
  • Agentes químicos (caracterizados por limite de tolerância ou por atividade);
  • Poeiras minerais;
  • Agentes biológicos.
Cada um dos riscos possui suas próprias normas, totalizando treze anexos vigentes. Por exemplo, em casos de ruído contínuo considera-se o tempo que o trabalhador ficou exposto ao ruído, já no ruído de impacto, considera-se apenas se o trabalhador foi exposto ao ruído, independente do período. O adicional de insalubridade não é a mesma coisa que o adicional de periculosidade, Este último é abordado pela Norma Regulamentadora NR-16, e abrange casos em que o trabalhador não fica exposto diretamente ao agente nocivo, embora exista possibilidade de se ferir ou morrer em decorrência da sua atividade.

Como calcula-se o adicional de insalubridade

O adicional de insalubridade pode variar de acordo com o grau da mesma, prevendo o pagamento de 10% para o grau mínimo, 20% para o médio e 40% para o máximo. O artigo 192 da CLT aponta como referência o salário-mínimo da região, mas o tema é polêmico: há decisões judiciais que obrigam o pagamento adotando como referência o salário do trabalhador, ou até mesmo o salário-base da categoria. O adicional depende também das normas do tipo de risco a que o trabalhador foi exposto.  
Tags :
Notícias

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fale com nossa equipe de especialistas

Esclareça todas suas dúvidas relacionadas à aposentadoria com um especialista no WhatsApp.

Categorias

Você precisa planejar, revisar ou realizar cálculos periciais para aposentadoria?

Temos uma equipe de especialistas prontos para ajudar você.

Outras Notícias

Disponibilizamos gratuitamente para você as principais notícias sobre Direito Previdenciário. Veja alguns destaques:

×